quarta-feira, 6 de maio de 2009

Protecção aos munícipes

Devido às grandes dificuldades que as pessoas atravessam no momento que se vive de crise, algumas das Câmaras do nosso País incrementam sistemas de protecção aos seus munícipes.
Ainda hoje no Jornal da TVI se falava em mais um município que estava a distribuir cartões de desconto, para que as pessoas beneficiem de descontos de 20% nalguns dos bens essenciais, incluindo no consumo da água de rede.
E vem isto a propósito da "protecção" que a Câmara Municipal da Mealhada concede aos seus munícipes, quando estes por dificuldades a maior parte das vezes, não procedem ao pagamento das suas facturas de água até ao prazo limite indicado. Ora bem, caso o limite seja por exemplo, o dia 10, mas a pessoa só recebeu a sua pensão no dia 11, e vai pagar a água nesse dia, para além da despesa constante da factura, terá de pagar os juros de mora, que é no mínimo aceitável, mais uma penalidade de " 7,48 € conforme o nº 2 do artº 66 do Regulamento de Abastecimento de água".
Sinceramente penso que este acréscimo não deveria existir, pois se alguém se atrasou não foi propositadamente, mas sim por dificuldades em pagar dentro da data limite estabelecida. O mais caricato é ver as pessoas com facturas de consumo de água com valores inferiores à da penalidade que lhe é acrescida.
Já para não falar na TAR.CONS.MAN.SIS. ÁGUA que é cobrada e que em lado nenhum da factura esclarece o que significa.
Se isto é protecção aos munícipes, então: Obrigado...
As eleições estão à porta!

Publicado no Jornal da Mealhada na sua edição de 27 de Maio de 2009

2 comentários:

António Gallobar disse...

Olá amigo João, vejo com muito gosto que não se resignou e continua na sua luta.

Esse alerta é mais que oportuno, certas empresas, e gestores acham que podem fazer tudo levando o nosso povo a passar grandes dificuldades exemplos são muitos EDP, GALP, TAP (as viagens para as ilhas devido à falta de concorrencia são uma autentica vergonha quanto a preços paraticados, pode ser mais barato ir à china do que ir aos açores)e como é o caso de empresas Municipais, sem a menor preocupação pelos nas carenciados. è caso para dizer, é preciso ter lata...

Recebe um grande abraço e até breve

António Gallobar

Chris disse...

Sem comentários...mesmo!