terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Monte-Mayor ou Montemor-o-Velho







Montemor-o-Velho é um concelho bastante plano. Na margem esquerda do Rio Mondego, os terrenos são principalmente para o cultivo do arroz e milho, enquanto na margem direita, os terrenos são mais arborizados, aparecendo a vinha, a oliveira e pequenos aglomerados populacionais.
Nos séculos XII, XIII e XIV o desbaste dos campos de Montemor, foi intenso, arrotearam-se terras, secaram-se os paúis e com o século XVI marca-se definitivamente a paisagem com a introdução do milho maíz.
Contudo junto ao Rio Mondego ainda se mantém, embora em pequeno número, algumas espécies de árvores típicas desta zona como o salgueiro, o choupo, o freixo e o ulmeiro.
Os paúis são os últimos vestígeos da paisagem de antigamente. Zonas húmidas, foram consideradas como terras inúteis. São actualmente consideradas zonas ecológicas de grande importância, tendo como principais elementos da flora, os caniçais, canaviais, juncos e nenúfares, sendo o habitat de mamíferos e répteis, grande número de aves sedentárias e migradoras e local de desova de peixes e anfíbios.
Estes paúis funcionam ainda como reservatórios de água e fazem a depuração da mesma, contribuindo para o amenizar do clima.
Num próximo post falaremos de outras belezas de Montemor-o-Velho, que são tantas, não só no seu rico património histórico, como ainda na gastronomia e doçaria conventual.

Sem comentários: