sábado, 5 de dezembro de 2009

É preciso ter cabeça...

Antigo painel de azulejos do assador de leitões, numa das paredes duma fonte que existia junto aos antigos viveiros florestais da Mealhada, actualmente Parque Urbano da Mealhada


Um amigo pediu-me há dias que lhe arranjasse 3 cabeças de leitão para 6ª feira, ontem portanto. Como normalmente faço fui ao Restaurante Meta dos Leitões em Sernadelo, uma vez que pelos contactos que tenho tido ao longo do tempo, sempre ali fui bem recebido e atendido, embora não seja um cliente frequente (aliás até sou muito raro) desse restaurante ou doutro qualquer.
Pedi as três cabeças, a que a senhora que me atendeu, muito amavelmente, me informou que só tinha possibilidades de arranjar duas.
Como me tinha comprometido com o meu amigo, não tive outra solução, aceitei as duas cabeças e paguei os 9 euros que me foram solicitados.
Saí e dirigi-me ao restaurante ao lado, o Pedro dos Leitões, um restaurante aliás com muita fama, e que ouço falar desde sempre, pois é talvez dos restaurantes mais antigos se não for o mais antigo de Sernadelo.
Ao balcão estavam três clientes, tendo eu aguardado a minha vez de ser atendido. Os dois funcionários que ali estavam lá íam atendendo até que saem dois dos clientes depois de servidos e entram várias pessoas que possivelmente fariam parte do grupo a que pertenceria a cliente que estava a ser atendida.
Um dos empregados em vez de me atender como seria a sua obrigação, começa a atender as pessoas que tinham acabado de chegar, até que tive que interromper e dizer o que queria: uma cabeça de leitão. Mas como o outro empregado tinha acabado de atender a cliente que ali estava quando eu entrei e ao ser solicitado por um dos indivíduos que tinha acabado de entrar vai cortar a cabeça do leitão e embrulha-a para lha entregar. Ao que eu tive que solicitar o meu atendimento, uma vez que lá estava primeiro, e então a cabeça de leitão foi para mim. Quando lhe pergunto o preço: 7 euros...
Ora bolas então no Restaurante Meta dos Leitões pago por duas cabeças 9 euros e ali por uma com menos peso até, como depois verifiquei em casa, paguei 7! E os restaurantes estão ao lado um do outro.
Bem paguei e lá trouxe a cabeça, só pela vergonha de dizer que já não a queria.
Mas entretanto devo dizer que não gostei nada de ver os empregados a cortarem os leitões para servirem aos clientes, sem luvas calçadas, interrompendo por vezes e vindo cumprimentar as pessoas que iam chegando, pertencentes ao tal grupo, isto é, quando se fala tanto em higiéne mexe-se na comida confeccionada com as mãos sem qualquer luva. Até parto do princípio que os dois empregados do Pedro dos Leitões tenham as mãos limpas, mas quem me garante que as pessoas que eles cumprimentaram também as tinham!
Sinceramente não gostei. Sempre ouvi dizer que ali se come bem, mas a conclusão que tirei depois deste episódio, é que os clientes também devem ser bem comidos...
Nota para o Meta dos Leitões positiva; para o Pedro dos Leitões tem que ser negativa.

5 comentários:

António Gallobar disse...

Grande denuncia, é sempre preciso estar vigilante.

Grande abraço amigo João

Filipe disse...

Eu penso que deveria inserir a resposta que recebeu...

João MaC Santos disse...

Em resposta ao Filipe eu inseria a resposta que se refere se eu a tivesse recebido. Como não recebi nada, não sei do que se trata. Se quiser fazer o favor de a enviar de novo, agradeço e pode ter a certeza que publicarei, se a mesma vier esclarecer e for educada, aliás como sempre faço. O meu interesse é dizer o que acho do que observo, mas não sou dono da verdade.

Fernanda disse...

Por acaso, o senhor que pelo seu hobbie ou ocupação, deverá ser um bom observador, se esteve tanto tempo à espera, não viu que os funcionários cortam o leitão com uma tesoura e que o seguram com uma pinça? Convido-o a visitar mais uma vez esse restaurante e a levar a sua máquina fotográfica para mais tarde recordar!E retirar o que disse!

João MaC Santos disse...

Pinça, sinceramente srª D. Fernanda, eu ainda sei o que é uma pinça e não vi nenhum dos funcionários com qualquer pinça. Mas já agora vou-lhe dizer através deste comentário, já que tanto a senhora como o sr. Filipe se escondem atrás de perfis anónimos que levarei sim senhor uma máquina e que fotografarei quando voltar a acontecer, mas depois não virei falar aqui do que vi, peço imediatamente o livro de reclamações e entregarei as fotografias na ASAE. Quanto ao retirar o que escrevi, não retiro porque a verdade acima de tudo, e o que escrevi foi o que eu vi e é verdade.